Grupo Focal: Como elaborar Perguntas?

Em situações cotidianas, há uma série de formas indiretas de provocar uma interação em grupo, incluindo a obtenção de respostas em estilo fishing (iscagem). No entanto, estas são raras nos grupos focais. A forma predominante de suscitar a participação dos membros de um grupo, envolvem uma diversificação nos tipos de perguntas em um roteiro guia de grupo focal. Bem elaboradas, a forma predominante de suscitar a participação em uma moderação, envolve um conjunto de perguntas, que gerem o dilema de perguntar e incentivar a motivação mais real das respostas, incluindo uma série de pontos sintetizados abaixo.

  • Informalidade: Eles são entregues como se fossem improvisados. Isso demonstra informalidade e sugere que o moderador não está seguindo um roteiro que possa indicar que respostas certas ou erradas são apropriadas.
  • Desempacotamento: A questão é reformulada e reformulada. Esta opção permite que a pergunta seja abordada (e talvez indique que ela não tem um único significado). Isso ajuda a garantir a participação.
  • Respondendo às perguntas dos candidatos: Perguntas bem elaboradas normalmente fornecem uma ou mais respostas dos candidatos. Estas ajudam a indicar o que será tratado como apropriado. Sua provisão torna mais difícil para os participantes evitarem responder.
  • Termos psicológicos: As perguntas concentram-se em sentimentos, observação, reconhecimento, etc. Isto coloca os membros do grupo numa posição privilegiada para responder às perguntas. Ao mesmo tempo, evita a preocupação dos membros de que eles possam não oferecer a resposta correta a uma pergunta do exame.

Perguntas como estas são bem diferentes de outras situações de familiaridade formal. Elas contrariam o tipo de autoridade e o diferencial de conhecimento visto nas salas de aula, ou em consultas médicas, por exemplo. Os participantes dos grupos focais não devem sentir que são amadores dos moderadores especialistas; as perguntas elaboradas são desenhadas para torná-los peritos em suas próprias crenças e sentimentos.

Fonte: Adaptado e traduzido de trechos do livro Focus Group Practice de Claudia Puchta e Jonathan Potter.

Share this Post

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*