Ferramenta de pesquisa do Ernest é lançada na Alemanha

O pesquisador cearense Fernando Nobre, fundador do Ernest Manheim Lab e colaborador da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/2020-2022), lançou no dia 11 de maio de 2022, na Universidade de Bremen, na Alemanha, a versão 1.4 do software Qualichat. Desenvolvido para a realização de pesquisas em grupos do aplicativo WhatsApp, o pacote computacional é resultado de dois anos de investigação etnográfica do pesquisador. O software Qualichat é uma ferramenta para o combate a desinformação por meio da análise de conversações em grupos do WhatsApp.

“Na última eleição presidencial, em 2018, o WhatsApp foi uma mídia determinante para os rumos do pleito. Pensando nisso, nós apresentamos, em conjunto com uma rede de 50 pesquisadores, uma resposta da comunidade acadêmica brasileira para o combate a desinformação por meio da análise das conversações nesse aplicativo que também pode influenciar as eleições deste ano”.

enfatiza Dr. Fernando Nobre

Por meio da análise de conversas do WhatsApp, o Qualichat permite detectar a opinião pública por meio da obtenção de dados como notícias e temas compartilhados nos grupos estudados, pessoas envolvidas, palavras e verbos mais usados, além dos dias e horários com maior pico de troca de mensagens.

Fernando explica que, por meio do Qualichat, os pesquisadores ainda podem descobrir a relação entre palavras e possíveis temas a determinados atores ou grupos. Ou seja, é possível identificar, com o software, os assuntos mais relacionados ao grupo dos caminhoneiros, por exemplo, ao presidente Jair Bolsonaro, ou ao ex-presidente Lula.

Como resultado de uma parceria com o projeto Qualitube, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o pacote computacional ainda permite descobrir quais sites foram mais compartilhados nos grupos do Whatsapp estudados, o número de visualizações advindas desses grupos para esses sites, entre outras possibilidades.

Como fazer pesquisa em grupos de WhatsApp?

A versão 1.4 do Qualichat, lançado em maio de 2022, permite que investigadores, jornalistas e estudantes façam pesquisas em grupos públicos de WhatsApp por meio de um conjunto de algoritmos disponíveis em bibliotecas de código aberto do Python, baseando-se nas estruturas textuais e nos tipos de mensagens trocadas em grupo. Sem necessitar de prévios conhecimentos em programação e, por meio de uma interface simplicada, temas, participação dos atores dos grupos analisados e noções de opinião públicas podem ser encontradas em visões quantitativas. Ao instalar a versão mais recente do Python em um sistema Windows ou Linux, pelo Prompt Command do computador é possível:

  • Keys: funcionalidade sobre os temas mais debatidos no grupo.
  • Participation status: cálculos sobre os dias, temas e tipos de mensagens mais recorrentes por atores dos grupos pesquisados.
  • Public opinion: gráficos sobre o tipo de vínculo social (família, política, esporte, amizade, etc) que o grupo analisado se refere, atribuindo também, escala de polarização de conteúdo positiva, neutra ou negativa.

O Qualichat é um projeto desenvolvido no Ernest Manheim Lab após estágio pós-doutoral em uma rede de pesquisadores da temática Humanidades Digitais e Pós-Humanismos do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Unicamp. O projeto também é resultado de debate com o Laboratório de História da Comunicação e Mudanças da Mídia da Universidade de Bremen, na Alemanha. Qualichat foi financiado pela Associação de Ciências Políticas dos Estados Unidos e recebeu o apoio da empresa alemã Tutanota, líder em criptografia de e-mail e calendário na região.

Planejado para ser lançado em ano eleitoral, o software foi construído com amplo diálogo com pesquisadores das ciências humanas interessados em oferecer instrumentos para pesquisa política em ano eleitoral.

Share this Post